terça-feira, 18 de setembro de 2007

O trabalhador e a alienação

É claro que a especialização no trabalho não atinge apenas as ferramentas, mas também aos trabalhadores. Das indústrias aos supermercados, das lojas às redações de jornais, os trabalhadores desempenham funções, tarefas, especialidades. Imagine alguém que chega a uma empresa às 9h da manhã e até o momento em que vai embora, às 18h, passa o dia inserindo valores de notas fiscais em um sistema de gestão empresarial. Minuto a minuto, hora a hora, dia a dia, a "vida" desta pessoa se resume a isto. O que vocês acham que acontece com o espírito da pessoa que vive semelhante experiência? Marx, em seu livro "Crítica da filosofia do direito de Hegel" [São Paulo: Boitempo Editorial, 2005], assinala que ao executar uma atividade sem sentido e ao perceber que a maior parte do ganho de seu trabalho vai para outra pessoa e não para ele, o trabalhador "se desliga" do que faz, ou seja, rompe os vínculos afetivos com o que está fazendo, alienando a si mesmo em relação ao trabalho. Este processo de alienação - sobre o qual falaremos mais vezes pois é bastante revelador - faz com que o trabalhador, como afirma Marx, não considere o trabalho a sua vida e fuja do trabalho "como quem foge da peste" assim que tem uma oportunidade. Você pode achar esta afirmação exagerada, mas basta vermos os mega-congestionamentos em estradas e aeroportos toda vez que há um feriado prolongado para compreendermos que a alienação apontada por Marx atinge hoje proporções inimaginadas. Será por esta razão - a alienação do trabalhador em relação ao trabalho - que as empresas impedem que os empregados usem livremente a internet? Pense a respeito. Me pediram um bom site com textos de Marx. Segue um onde você encontra textos de Marx e vários outros marxistas dignos desse nome: www.marxists.org/

7 comentários:

José Oswaldo disse...

É isso aí, vamos todos vagabundear e teremos estradas sem congestionamentos, ninguém terá dinheiro para comprar combustível, as distilarias serão fechadas e teremos milhões de desempregados pedintes pelas ruas, inclusive nós dois, pois não poderemos receber aposentadoria ou pensão de um governo que não terá o que arrecadar.

Robbiate disse...

Infelizmente o homem veio com um defeito de fabricação,taí a igreja universal e estas teorias de esquerda que não me deixam mentir.

Fernando Oliveira disse...

Todas as características de um falso profeta tinha esse Marx.

Vejo hoje a humanidade correndo atrás de emprego e não fugindo deles.

Vale lembrar que a compesação pelo trabalho faz a diferença para o trabalhador.

Nos dias de Marx o trabalho era escravo e sem remuneração.

Any may disse...

A alienação no trabalho é gerada na sociedade devido à mercadoria, que são os produtos confeccionados pelos trabalhadores explorados, e o lucro, que vem a ser a usurpação do trabalhador para que mais mercadorias sejam produzidas e vendidas acima do preço investido no trabalhador, assim rompendo o homem de si mesmo.

Também acho que a rotina do trabalho pode sim alienar o homem o trabalho e uma necessidade natural do homem, é o que o diferencia dos outros animais, mais a partir que isso vira uma "chatisse rotineira" pode prejudicar o homem sim!!!!

CrazyPhantomBR disse...

A tal ponto chegamos que fazemos fila para disputar postos de trabalho. Imploramos para sermos escravizados e alienados pelo trabalho.

Triste ver os comentários infantís.

c1zor disse...

Parece que os comentarios feitos no blog não enxergaram o sentido real da crítica. Ninguem seria radicalista ao ponto de largar seu emprego, necessitamos dele para a nossa sobrevivência.Mas, sim. Em geral, o trabalhador não gosta de seu oficio. Prova disto é que grande parte da população não vê hora de se aposentar. Ou seja, apesar de muitas vezes odiarmos oque estamos fazendo, caimos no sentimento de conformismo.

Aguinaldo disse...

Éh! Realmente é muito triste ver este Comentário do José Oswaldo. Das duas uma: ou o autor deste comentário pertence à classe oposta à dos trabalhadores, ou é o sinal mais nítido e funebre da "Alienação do trabalhador".